Investigação

Início / Investigação / Artigos / Desenvolvimento do intestino delgado em machos e fêmeas de frangos de carne nos primeiros 21 dias pós‑eclosão.

Desenvolvimento do intestino delgado em machos e fêmeas de frangos de carne nos primeiros 21 dias pós‑eclosão.

Ano
2001
Resumo

O dimorfismo sexual relativamente ao peso corporal é observado em muitas espécies de aves, sendo os machos, na maioria dos casos, mais pesados do que as fêmeas. Estas diferenças poderão ser atribuídas, em parte, a diferentes padrões de crescimento que se verificam entre machos e fêmeas, aos quais, estão associados mecanismos fisiológicos e, muito provavelmente, adaptações anatómicas, em particular do sistema digestivo, próprias de cada sexo. Deste modo é de supor que o desenvolvimento do intestino delgado seja distinto nos dois sexos. O objectivo deste trabalho foi analisar se a existência de diferenças no peso corporal entre machos e fêmeas de frangos de carne (broilers), nos primeiros 21 dias pós‑eclosão, tem a ver, ou não, com eventuais diferenças no desenvolvimento do intestino delgado. Essa análise baseou‑se na comparação das anatomias macroscópica (comprimento total do intestino e dos diferentes segmentos que o constituem) e microscópica (características da mucosa). Embora se tenha observado um ligeiro aumento do peso corporal dos machos relativamente às fêmeas, a partir dos 14 dias, tendência que se acentuou aos 21 dias, estas diferenças não são, contudo, significativas (P>0,05). Não foram encontradas, igualmente, diferenças significativas (P>0,05), entre sexos, para o comprimento total do intestino delgado e dos diferentes segmentos considerados: duodeno, jejuno e íleo. O comprimento relativo de cada segmento do intestino delgado e o ratio comprimento do intestino/peso corporal, não apresentam diferenças significativas (P>0,01), entre machos e fêmeas, em todas as idades consideradas. Finalmente, também não foram encontradas diferenças significativas (P>0,01), entre machos e fêmeas, nos parâmetros histomorfométricos analisados: altura das vilosidades, profundidade das criptas, altura da muscularis mucosae e altura da mucosa intestinal. Quanto à hipótese inicial, e uma vez que o desenvolvimento da mucosa intestinal parece estar definido por volta dos 7‑14 dias, os resultados obtidos no presente trabalho sugerem que a existência de diferenças no peso corporal entre machos e fêmeas, não terá a ver com diferenças no desenvolvimento do intestino delgado, pelo menos tendo em conta, os parâmetros analisados.

Palavras Chave

Frangos de carne ( broilers ); Intestino delgado; Mucosa intestinal; Vilosidades; Criptas; Muscularis mucosae .

Tipo de Artigo
Investigação
Tipo de Revisão
Nacional
Âmbito Geográfico
Nacional
Situação
Publicado
Referência

Rodrigues, F.; Capela, F.; Pereira, A.; Pinelas, A.; Lino, C.; Fialho, I.; Cabrita, A. (2001). Desenvolvimento do intestino delgado em machos e fêmeas de frangos de carne nos primeiros 21 dias pós‑eclosão. Revista Portuguesa de Zootecnia , X Congresso de Zootecnia, Ano VIII Nº1: 167‑179.