Investigação

Início / Investigação / Artigos / Estudo comparativo de dois métodos de congelação de sémen de varrascos Alentejanos. Avaliações in vitro e in vivo.

Estudo comparativo de dois métodos de congelação de sémen de varrascos Alentejanos. Avaliações in vitro e in vivo.

Ano
2001
Resumo

Foram utilizados como dadores de sémen três varrascos de raça Alentejana (AL), um varrasco de raça Large‑White (LW) e um varrasco de raça Duroc (D). No processo de recolha dos ejaculados utilizou‑se o método de estimulação manual. Após a colheita e antes da congelação o sémen foi avaliado. A metodologia de congelação baseou‑se no método proposto por Thilmant, em 1997. O sémen de cada ejaculado foi acondicionado em macrotubos com capacidade de 3,5ml (M) e em palhinhas de 0,5ml (P). Após uma crioconservação, de pelo menos 10 dias, em azoto líquido procedeu‑se à avaliação in vitro do sémen proveniente dos macrotubos e das palhinhas (motilidade espermática aos 0, 15, 30, 45, 60 e 120 minutos, em incubação a 37º C). A motilidade pós‑ descongelação foi significativamente maior (p entre 0,001 e 0,05) no método P. Subsequentemente foram realizadas inseminações heterospérmicas em 16 porcas de raça alentejana, para testar a eficiência de cada tipo de acondicionamento (M e P). Procedeu‑se ao diagnóstico de gestação por ecografia aos 28 dias, para triagem das porcas gestantes. No conjunto dos métodos M + P verificou‑se uma taxa de fertilidade de 37,5% e a taxa de prolificidade foi de 6 ± 2,5 leitões (Método M ‑ 8 leitões, 22,2% do total e Método P ‑ 28 leitões, 77,2% do total). Muito embora este estudo seja preliminar e requeira mais investigação o método P evidenciou‑se quer in vitro, quer in vivo superior ao método M.

Palavras Chave

raça alentejana; sémen; crioconservação; acondicionamento.

Tipo de Artigo
Investigação
Tipo de Revisão
Nacional
Âmbito Geográfico
Nacional
Situação
Publicado
Área de Trabalho
Referência

Charneca, R.; Russo, N.; Milhano, A.; Nunes, J. (2001). Estudo comparativo de dois métodos de congelação de sémen de varrascos Alentejanos. Avaliações in vitro e in vivo. Revista Portuguesa de Zootecnia , X Congresso de Zootecnia, Ano VIII, Nº1: 252‑257.