Investigação

Início / Investigação / Artigos / Influência da dieta de engorda e do peso de abate sobre as características da carcaça do Porco Alentejano. Resultados preliminares.

Influência da dieta de engorda e do peso de abate sobre as características da carcaça do Porco Alentejano. Resultados preliminares.

Ano
2001
Resumo

A partir de um lote de 40 porcos com 7 meses de idade e um peso médio de 70 kg PV constituíram‑ se 2 grupos de 20 animais cada. Um grupo foi engordado em montanheira e outro com um alimento comercial seleccionado de um conjunto de alimentos comerciais para engorda de porcos Alentejanos. A escolha teve por base o facto do teor e composição da gordura bruta ser semelhante ao da bolota. Efectuaram‑se abates em cada lote de engorda aos 100 e 120 kg PV. Foram analisadas 4 carcaças de cada grupo abatido num total de 16. Procedeu‑se ao estudo dos seguintes parâmetros: peso e rendimento de carcaça, peso das principais peças de corte, área do lombo e espessura da gordura subcutânea dorsal, e ainda da composição tecidular do membro posterior direito. Os porcos engordados em montanheira apresentaram maior (P=0,05) rendimento de carcaça (78,48 vs 75,03%) e uma tendência para um maior peso ponderal e em percentagem de peças gordas: banhas (2,61 vs 2,39kg; 6,02 vs 5,61%) e manta (engloba toucinho, entremeada e gordura abdominal) (15,56 vs. 14,06kg; 35,84 vs33,11%). Estes animais registaram ainda uma maior espessura do toucinho ao nível da última costela (43,75 vs. 40,38mm). No que diz respeito aos resultados da dissecação do membro posterior não se registaram diferenças significativas assinaláveis exceptuando o maior teor de osso (P=0,05) quer em peso quer em percentagem dos animais engordados em montanheira. Os animais mais pesados registaram maior (P=0,05) peso ponderal de todos as peças de corte. Contudo, em percentagem verificou‑ se uma tendência para diminuir o peso do entrecosto (7,37 vs 7,09%; ns), da pá (6,41 vs 6,00; ns) e da lombada (29,36 vs 26,55%; P=0,05) e um aumento da percentagem de banha (5,63 vs 6,17%; P=0,05) e da manta (32,86 vs 37,12%; P=0,05). Ao nível do membro posterior os animais mais pesados registaram em termos percentuais maior teor de gordura (20,16 vs 26,23; P=0,05), maior teor de osso (11,17 vs 13,34%; P=0,05) e menor teor de músculo (55,98 vs 49,30%; P=0,05). Estes animais registaram ainda maior espessura do toucinho ao nível da última costela (38,50 vs 45,63mm; P=0,05) e maior área do lombo (29,94 vs 31,34 c m2).

Palavras Chave

Porco Alentejano; carcaça; peças de corte.

Tipo de Artigo
Investigação
Tipo de Revisão
Nacional
Âmbito Geográfico
Nacional
Situação
Publicado
Referência

Neves, J.; Bento, P.; Farinha, N.; Freitas, A. (2001). Influência da dieta de engorda e do peso de abate sobre as características da carcaça do Porco Alentejano. Resultados preliminares. Revista Portuguesa de Zootecnia , X Congresso, Ano VIII, Nº1: 258‑262.